Payback: o que é e como calcular?

O que é, para que serve, como calcular e quando utilizar o payback? Leia o artigo agora mesmo para descobrir!

Um indicador fundamental para o empreendedor situar o período no qual o investimento deve se tornar viável é o payback. A palavra é um termo em inglês que designa o retorno de uma operação.

Ele é utilizado para qualificar a tomada de decisão nas empresas, considerando o tempo para obtenção dos valores e o montante a ser retirado dos caixas para viabilizar cada estratégia. A depender do contexto, para calcular o payback é preciso envolver a fórmula simples ou o cálculo descontado de acordo com as necessidades e objetivos do seu estabelecimento.

Confira as vantagens e as desvantagens de usar esse indicador e como calcular e interpretar os resultados do seu payback!

Para que serve o período de payback?

O payback é utilizado pelas empresas para indicar qual é o retorno de um investimento ao longo do tempo. Sendo assim, o cálculo é realizado a partir dos primeiros aportes financeiros no projeto, compreendendo também o período em que os rendimentos se tornam iguais ou superiores ao valor investido inicialmente.

Qual é a diferença entre payback simples e descontado?

É verdade que o payback simples é bastante aplicado à realidade das empresas. Mas, além dessa opção, existe o payback descontado. Você sabe qual é a diferença entre esses dois tipos de indicadores sobre o retorno de um investimento?

O payback simples é o cálculo do retorno de investimento que não desconta os fluxos de caixa futuros. Em outras palavras, a fórmula não leva em consideração o valor do dinheiro na dimensão do tempo. Sendo assim, os fluxos de caixa são a diferença entre as receitas e as despesas da empresa.

Já o payback descontado é um indicador complexo que utiliza valores descontados para o presente a partir da fixação de uma taxa de juros e impostos, calculando o tempo de recuperação de uma aplicação financeira com o custo de capital nos fluxos de caixa.

Por isso, um uso corriqueiro do payback descontado é quando a empresa projeta uma expansão ou a abertura de uma nova unidade física.

Quais são as vantagens de monitorar o payback?

Até aqui, você sabe o que é payback e para que ele serve, mas a dúvida que fica é sobre as vantagens desse importante indicador. A seguir estão listadas as principais!

Facilidade de cálculo

A facilidade de cálculo é uma grande vantagem do payback. Isso porque a gestão precisa completar uma fórmula simples para conhecer o período de retorno de um investimento na empresa. Além de mostrar a liquidez do negócio, mensurando a capacidade de um ativo ser transformado em dinheiro, o cálculo oferece uma dimensão sobre o grau de riscos envolvidos em uma operação financeira.

Compreensão da viabilidade do negócio

O cálculo de payback também permite à gestão avaliar a viabilidade de novos projetos. Isso ocorre porque, ao descobrir o tempo de retorno de um investimento, a gestão consegue tomar decisões estratégicas, compreendendo com precisão se o negócio é viável ou não, ou seja, se pode ser transformado em dinheiro sem perder valor.

Análise do retorno do investimento

Por fim, o cálculo de payback é útil para analisar o retorno do investimento, sendo crucial para projetos com alto nível de risco. Nesses casos, a ferramenta se mostra propícia para manter a saúde financeira do negócio, sobretudo em momentos de instabilidade econômica.

Qual é a desvantagem do cálculo de payback?

O fato de o indicador não considerar os fluxos de caixa produzidos após a recuperação do investimento é uma desvantagem porque, após o investimento “se pagar”, a depender do regime tributário, ele pode gerar mais lucros ao investidor.

Por isso, geralmente o payback é indicado para a análise de viabilidade dos projetos de curta duração, sendo menos recomendado para projetos com previsão de grande faturamento, que tendem a ser mais complexos.

Como calcular o payback do seu negócio?

Para calcular o payback, primeiramente é preciso organizar o fluxo de caixa da empresa, considerando, nesse momento, todos os custos relacionados ao investimento, seja com despesas administrativas, seja com gastos operacionais, compra de equipamentos, entre outros.

Além da contabilização do fluxo de caixa, também é necessário definir o resultado médio mensal do fluxo de caixa, utilizando o demonstrativo dos resultados.

Com os dados do fluxo de caixa e o resultado médio mensal da empresa, o gestor deve dividir o investimento inicial pelo resultado para definir o payback. Em resumo, basta aplicar esta fórmula do payback:

Payback = investimento inicial / resultado médio do fluxo de caixa

Para facilitar o entendimento, pense neste exemplo prático. Imagine que a sua empresa investiu R$ 70 mil em uma operação, tendo como resultado médio mensal do fluxo de caixa R$ 2 mil. Aplicando os números à fórmula, você teria o seguinte: 

Payback = 70.000 / 2.000 = 35 meses

A partir do exemplo, o gestor conseguiria pagar o investimento em 35 meses, o equivalente a 2 anos e 11 meses.

Quais dicas ajudam a interpretar o resultado do payback?

Para calcular o payback em meses ou anos, é necessário dividir o recurso necessário para pagar o investimento pelo número de produtos ou quantidade de atividades produzidas pela empresa no período.

Dessa forma, a premissa desse cálculo é que quanto maior for o período de payback, mais arriscado será o investimento e menos atrativo será o projeto para a empresa.

Além disso, como o risco está associado à liquidez do investimento, quanto maiores forem os riscos do projeto, mais chance de prejuízos a organização deve assumir para viabilizar o negócio.

É fundamental compreender também que projetos novos costumam apresentar resultados negativos nos meses iniciais. Mas, com os resultados positivos nos meses seguintes, o valor tende a ser convertido em resultado positivo e, quando o projeto atingir essa marca, o payback será alcançado.

O payback é um importante indicador para mensurar o retorno de um investimento ao longo do tempo. Por isso, avalie se o cálculo, útil para projetos com alto nível de risco e tempo limitado, aplica-se ao seu negócio. Caso seja necessário medir o payback da sua empresa, não deixe de utilizar os dados para qualificar as decisões administrativas.

Gostou das dicas? Se sim, continue se informando sobre estratégias para crescer no mercado. Agora, veja os 8 passos essenciais para atingir o sucesso na gestão financeira do seu restaurante!

Por iFood

Por iFood

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Parceiro iFood recebendo pedido.

Assine a newsletter e receba em seu e-mail novos conteúdos que vão ajudar a melhorar o desempenho do seu negócio!

POSTS RELACIONADOS

21/05/2024

Melhoria contínua: o que é, objetivo e como aplicar

20/05/2024

Confira como foi o Fórum de Restaurantes de Maio

20/05/2024

Embalagem para marmita: 6 melhores opções

 

Ingressos disponíveis!

Garanta sua presença no evento que vai mover o mercado de Food Delivery