Custos fixos e variáveis: você sabe classificar?

Quais são os custos fixos e variáveis do seu estabelecimento? Entenda a importância e saiba como identificá-los neste post!

Identificar os custos fixos e variáveis consiste em uma etapa fundamental para a saúde financeira de qualquer negócio que deseja prosperar. Afinal, isso contribui para manter as contas organizadas e auxilia na hora de tomar decisões para o negócio, melhorando a gestão como um todo.

Água, luz, ingredientes para o preparo das refeições e embalagens representam custos comuns dos estabelecimentos alimentícios. Você sabe quais desses custos do seu estabelecimento podem ser considerados fixos ou variáveis? Essa é uma dúvida bastante comum, o que pode dificultar a classificação correta na hora de defini-los.

Continue a leitura para entender a diferença entre custos fixos e variáveis, exemplos de como classificá-los e monitorá-los, além da importância de entender sobre o assunto.

O que são custos fixos?

Os custos fixos são aqueles que apresentam pouca ou nenhuma alteração conforme a quantidade de produção. Esses são os casos da conta de internet, aluguel, salários e impostos, por exemplo.

A semelhança entre esses custos é que eles continuam os mesmos, independentemente se o volume produzido em um empreendimento aumenta ou diminui. No caso de um restaurante, por exemplo, esses custos permanecem se forem vendidas 100 ou 200 refeições em determinado período.

O que são custos variáveis?

Diferentemente dos fixos, os custos variáveis apresentam oscilação conforme as atividades do negócio. O motivo é que eles estão diretamente associados à quantidade da produção.

Isso quer dizer que, quanto mais a empresa produzir ou quanto mais prestar serviços, maior será o custo variável. No estabelecimento alimentício, quando há um crescimento nos pedidos feitos por clientes em certo período, os custos variáveis também aumentam de forma proporcional.

Como classificar os custos do seu estabelecimento?

Entender como classificar os custos é um passo imprescindível para ter uma melhor visão do desempenho do seu empreendimento e, assim, manter a gestão organizada. Com essa informação, será mais fácil manter o controle sobre a lucratividade e tomadas de decisões e, inclusive, cumprir as metas definidas no plano de negócio.

Mas como identificar e fazer o cálculo dos custos fixos e variáveis do estabelecimento? Essa é uma dúvida válida, pois, embora alguns custos oscilem de um mês para outro, nem sempre podem ser considerados como variáveis. Para ajudar, confira alguns exemplos de custos fixos e variáveis de um comércio do ramo alimentício.

Custos fixos do estabelecimento

Entre os principais custos fixos do estabelecimento estão:

  • aluguel;
  • taxa de serviços contratados;
  • salário dos funcionários;
  • impostos;
  • gás;
  • água e energia elétrica;
  • internet;
  • telefone.

Esses custos são considerados fixos porque eles não se alteram em relação ao volume de produção do negócio. Assim, mesmo que o aluguel do estabelecimento ou as contas de água e energia elétrica sofram reajustes, essa variação não aconteceu devido à quantidade de venda das refeições.

Para calcular a média dos seus custos fixos, basta somar todos eles e dividir o total pela quantidade de custos fixos existentes. Assim, você tem uma base do valor mensal, independentemente da quantidade produzida e vendida no empreendimento.

Custos variáveis do estabelecimento

Já entre os custos variáveis do estabelecimento estão os seguintes:

  • matéria-prima (ingredientes);
  • pagamento de horas extras para funcionários;
  • taxas com cartão de crédito;
  • custos com entrega;
  • embalagens para delivery.

Esses custos estão intimamente ligados ao volume de vendas, sendo proporcionais à quantidade de refeições preparadas no local. Se o volume de vendas de refeições por delivery dobra de um mês para o outro, por exemplo, os gastos com a compra de ingredientes e embalagens para entrega também aumenta de forma proporcional. 

É comum acontecer de a mesma quantidade de ingredientes ser adquirida por meses seguidos no estabelecimento, trazendo períodos de estabilidade para os custos. Apesar disso, eles não deixam de ser considerados variáveis, já que estão sujeitos a diversas influências, como climáticas e econômicas.

Para o cálculo do custo variável, divida-os pela quantidade de refeições vendidas para chegar ao custo variável por unidade. Com esse resultado, fica mais fácil entender como precificar os itens do negócio.

Como monitorar e organizar os seus custos corretamente?

Agora você já conhece qual é a diferença entre os custos fixos e variáveis. O próximo passo é saber como mantê-los organizados de maneira adequada para poder administrá-los melhor e, assim, encontrar o ponto de equilíbrio do seu empreendimento.

Para que isso seja possível, o ideal é você manter um registro de todos os gastos em uma tabela, separando os fixos dos variáveis. Inclua também as contas dos meses anteriores, para criar um histórico e entender se elas aumentam ou diminuem em períodos sazonais.

Nesse caso, será possível identificar a necessidade de mais recursos para lidar com os custos. É o caso de, por exemplo, lidar com a variação de preço de determinados alimentos conforme a época do ano, especialmente frutas, legumes e verduras.

No comércio do ramo alimentício, como a maioria dos empreendimentos que trabalham com prestação de serviços, é comum que os custos variáveis sejam a maior parte. Por esse motivo, o processo de precificação precisa de ainda mais atenção para garantir a rentabilidade do negócio. Isso ainda contribui na hora de avaliar e colocar em prática novas ideias de negócios.

Para uma boa gestão de custos, é fundamental ter constância e frequência no monitoramento de todas as entradas e saídas do caixa do restaurante. Isso vai permitir identificar erros e desfalques, além de possibilitar estudar com atenção as estratégias que possam levar à redução desses custos para aumentar a lucratividade do seu negócio.

O uso de ferramentas de gestão financeira também é indicado nesse momento. Dessa forma, todo o processo torna-se mais ágil, evitando a incidência de erros. Outra vantagem é que permite que você acompanhe os relatórios com maior precisão.

Conhecer quais são os custos fixos e variáveis do seu negócio e saber como administrá-los é essencial para manter a saúde financeira e a prosperidade do seu empreendimento. Por isso, não deixe de colocar em prática os conceitos que aprendeu aqui para aproveitar melhor todas as oportunidades, alavancando as vendas e lucratividade.

Para entender de uma vez por todas como definir os preços dos produtos oferecidos no seu cardápio, acesse agora mesmo o guia completo de precificação para restaurantes!

Por iFood

Por iFood

10 respostas

  1. This web site is really a walk-through for all of the info you wanted about this and didn’t know who to ask. Glimpse here, and you’ll definitely discover it.

  2. Hey There. I found your weblog the usage of msn. That is an extremely neatly written article. I will make sure to bookmark it and come back to learn extra of your useful information. Thanks for the post. I will definitely return.

  3. I like this weblog so much, bookmarked. “Respect for the fragility and importance of an individual life is still the mark of an educated man.” by Norman Cousins.

  4. Os custos fixos são aqueles que apresentam pouca ou nenhuma alteração conforme a quantidade de produção. Esses são os casos da conta de internet, aluguel,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Parceiro iFood recebendo pedido.

Assine a newsletter e receba em seu e-mail novos conteúdos que vão ajudar a melhorar o desempenho do seu negócio!

POSTS RELACIONADOS

20/05/2024

Confira como foi o Fórum de Restaurantes de Maio

20/05/2024

Embalagem para marmita: 6 melhores opções

19/05/2024

Promoção de vendas: 5 dicas para o seu sucesso

 

Ingressos disponíveis!

Garanta sua presença no evento que vai mover o mercado de Food Delivery