Cashback: o que é e como funciona?

Entenda por que o cashback está em alta e saiba se vale a pena investir na estratégia no setor gastronômico! Leia:

O cashback tem sido adotado por diferentes marcas que buscam atuar em uma estratégia de atração e retenção de clientes. Trata-se de uma maneira de fidelizar o consumidor e, além disso, ajudá-lo a economizar.

Portanto, desconhecer a iniciativa e/ou não acompanhar o avanço dessa tendência pode se tornar um mau investimento na relação com o público do estabelecimento. Como consequência, a tendência é de que a sua vantagem competitiva perante a concorrência seja reduzida.

Continue a leitura para entender mais sobre o que é o cashback e saiba como você pode adotar essa estratégia no seu negócio!

O que é cashback?

O cashback é uma ação que visa devolver parte do dinheiro da compra ao cliente. De modo geral, o programa funciona da seguinte maneira: um estabelecimento anuncia que os clientes que consumirem os produtos/serviços ofertados em um determinado período vão receber de volta uma porcentagem do valor gasto em cada compra — geralmente, entre 1% e 20%.

A quantia pode ser revertida para o público como dinheiro ou como um saldo que fica disponível para futuras compras. Ou seja, torna-se possível economizar nos próximos pagamentos, o que comumente representa uma motivação extra para a aquisição de produtos/serviços da marca.

Definição de regras

A porcentagem pode cair na conta de cadastro do consumidor no programa de cashback na mesma hora ou ser disponibilizada em até 30 dias — a depender do protocolo adotado pelo comércio. Além disso, fica a critério do estabelecimento definir se todos os produtos darão direito ao cashback ou se a estratégia valerá somente para itens selecionados.

Inclusive, também é possível que diferentes itens tenham porcentagens de retorno diversas. Na prática, quando se trata de devolução de dinheiro, alguns negócios podem definir um valor mínimo para a transferência para uma conta-corrente. Já quando a ideia envolve a disponibilização de saldo (ou de uma “carteira de cashback”), as normas costumam ser mais flexíveis.

Por norma, o público pode utilizar total ou parcialmente o valor que tem disponível para eventuais abatimentos nas compras. Aliás, em alguns casos, é viável acumular o montante para efetuar trocas por mercadorias e/ou brindes.

Como implementar uma estratégia de cashback no negócio?

Há duas formas de implementar um programa de cashback no seu negócio e impulsionar a estratégia, atraindo um número maior de clientes.

Parceria com serviços de cashback

Muitos estabelecimentos decidem firmar parcerias com serviços de cashback de startups, empresas e plataformas on-line, no intuito de facilitar e agilizar a implementação do programa. Afinal, a administração e a manutenção ficam a cargo da companhia parceira.

Dessa forma, o seu empreendimento não terá praticamente nenhum trabalho. Apenas será preciso divulgar a novidade para os consumidores. Portanto, estamos diante de um diferencial superinteressante para marcas pequenas, com uma equipe de gestão financeira mais enxuta.

No entanto, esse tipo de convênio implica algumas limitações no que se refere ao programa de cashback. A mais comum é o fato de que nem todos poderão fazer uso dele.

Inicialmente, será necessário se tornar cliente do seu negócio para fazer parte do programa. Além disso, a imposição de regras acerca da forma de uso do valor acumulado e do seu tempo de validade é outra peculiaridade.

Programa próprio de cashback

A segunda alternativa envolve planejar um programa próprio, gerido internamente pelo estabelecimento, no qual os clientes são cadastrados. Geralmente, o cadastramento pode ser feito no caixa, no ato do pagamento ou por meio do site/aplicativo da marca, por exemplo.

A partir daí, a cada nova compra, os consumidores só precisarão informar o CPF, contabilizando a compra dentro do programa para receber o cashback devido. O modelo demanda um pouco mais de trabalho para ser lançado, já que requer a atuação de profissionais de tecnologia por trás da gestão, da manutenção e da atualização do serviço.

Em contrapartida, trata-se de um formato que oferece mais autonomia para o comércio no que diz respeito à definição de normas de participação e ainda é mais acessível para o seu público. Afinal, não haverá pré-requisitos para o cadastro.

Quais são as vantagens e desvantagens?

Para os clientes, um dos benefícios mais marcantes do programa de cashback é a possibilidade de reduzir os gastos e de consumir um serviço oferecido pelo comércio sem custos. Já para os estabelecimentos, as vantagens são diversas, como:

  • o aumento da divulgação da marca (principalmente na Internet);
  • a elevação do número total de vendas;
  • a utilização do cadastro do programa para o levantamento de dados dos clientes;
  • a ampliação da atração e da retenção de novos consumidores.

Além disso, muitos negócios montam planos que disponibilizam um percentual de cashback maior para determinados pedidos. Usualmente, a iniciativa visa à elevação da lucratividade e/ou à redução de itens “parados” no estoque.

Por outro lado, é possível afirmar que as desvantagens dessa estratégia são mínimas. Para o público consumidor, por exemplo, o aspecto negativo pode se concentrar no fato de o valor obtido de volta ser mais atrativo apenas em compras grandes — algo que fica claro quando o cashback é de 1%, por exemplo. Afinal, nesse cenário, o consumidor só terá um saldo interessante quando os seus gastos forem superiores a R$ 500.

No mesmo contexto, para o comércio, o programa de cashback deixa de ser vantajoso se for ofertado um percentual muito acima da média do mercado (de 50% em diante) e/ou quando houver custos muito elevados para montar e manter o serviço. Em casos assim, a tendência é de que a implementação da estratégia impacte negativamente o fluxo de caixa do seu empreendimento.

Quais cuidados devem ser tomados?

Os negócios que planejam adotar um programa de cashback, como restaurantes, bares, cervejarias, marmitarias, pizzarias e afins, devem definir todas as regras com antecedência e com supervisão jurídica. Esse apoio é fundamental, principalmente, para a elaboração das normas relativas:

  • ao tempo de duração do serviço;
  • ao funcionamento do cadastro;
  • ao acesso ao programa;
  • à dinâmica do saldo e/ou do dinheiro devolvido;
  • ao modo como o valor recebido de volta poderá ser utilizado (e em quais circunstâncias) etc.

Inclusive, o suporte é essencial para não haver informações erradas, confusas ou dúbias no regulamento. A ideia é evitar ao máximo gerar quaisquer desentendimentos com o público, que poderiam provocar críticas nas redes sociais, processos e difamação da marca, por exemplo.

O programa de cashback é uma boa estratégia para melhorar a relação com a sua clientela e atrair novos consumidores. A partir da iniciativa, torna-se viável conhecer melhor o perfil do seu público, ter um resultado superior nas vendas e até impulsionar a procura de itens do cardápio com pouca saída. Portanto, avalie qual é a forma ideal de lançar o serviço, assegurando detalhadamente o seu funcionamento e as demais regras.

Aproveite para conferir o que é controle de caixa e como aplicá-lo no seu negócio para manter as finanças em dia!

Por iFood

Por iFood

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Parceiro iFood recebendo pedido.

Assine a newsletter e receba em seu e-mail novos conteúdos que vão ajudar a melhorar o desempenho do seu negócio!

POSTS RELACIONADOS

21/05/2024

Melhoria contínua: o que é, objetivo e como aplicar

20/05/2024

Confira como foi o Fórum de Restaurantes de Maio

20/05/2024

Embalagem para marmita: 6 melhores opções

 

Ingressos disponíveis!

Garanta sua presença no evento que vai mover o mercado de Food Delivery