Desenquadramento MEI: quando é a hora certa e como funciona

Será que você precisa fazer o desenquadramento do MEI? Neste post, veja as informações e entenda como funciona esse processo.

O desenquadramento MEI é um passo importante que muitas pessoas precisam dar em sua jornada empreendedora. Ao abrir um pequeno restaurante, bar ou outro estabelecimento no ramo alimentício, por exemplo, a formalização como Microempreendedor Individual até pode ser o primeiro passo ideal. Porém, conforme o negócio cresce, chega o momento em que a transição para outro tipo de empresa se torna necessária.

Sem tempo para ler? Clique no play abaixo para ouvir esse conteúdo.

De acordo com Boletim do Mapa de Empresas referente ao 2º quadrimestre de 2023, 58,1% dos negócios ativos no Brasil estão enquadrados como MEI. São mais de 12 milhões de microempreendedores individuais que podem, eventualmente, precisar fazer o desenquadramento. Por isso, é muito importante saber quando esse procedimento deve ser realizado e como ele funciona.

Continue a leitura e saiba como funciona o processo de desenquadramento MEI, quais as diferenças entre MEI e ME e se vale a pena ser ME. Fique conosco e confira! 

O que é o MEI e suas vantagens?

O MEI, que significa Microempreendedor Individual, é um tipo de empresa bastante simplificado voltado para pessoas empreendedoras que atuam, como o próprio nome já indica, de forma individual. Esse modelo foi criado pela Lei Complementar 128, de dezembro de 2008, visando facilitar a formalização de pequenos negócios.

Para pequenos negócios, abrir um MEI é uma forma de sair da informalidade e contar com vantagens como essas:

  • processo de abertura simplificado — o registro como MEI é feito pela internet, de forma bem rápida e gratuita, sem burocracia;
  • emissão de nota fiscal — com o CNPJ de MEI, é possível emitir notas fiscais com isenção de impostos;
  • facilidade de obtenção de crédito — os bancos costumam oferecer linhas de crédito com condições especiais para MEIs;
  • possibilidade de contratação de funcionário — o MEI pode contratar um funcionário para atuar no estabelecimento;
  • acesso a benefícios — auxílio-doença, licença-maternidade, aposentadoria, pensão por morte e auxílio-reclusão.

O que é o desenquadramento MEI?

O desenquadramento MEI é o processo pelo qual uma empresa registrada como Microempreendedor Individual deixa de cumprir as condições estabelecidas para manter essa categoria. Isso pode ocorrer se o empreendedor não cumprir com suas obrigações legais ou se decidir voluntariamente por essa mudança.

Quando ocorre o desenquadramento, o empreendedor tem a oportunidade de modificar informações básicas da empresa, como razão social, natureza jurídica e endereço. Além disso, é necessário escolher um novo regime tributário, podendo optar entre o Simples Nacional, Lucro Presumido ou Lucro Real.

É importante ressaltar que mesmo após o desenquadramento MEI, é possível permanecer no Simples Nacional, desde que a empresa se enquadre nos critérios estabelecidos por esse regime tributário.

Quais as causas para o desenquadramento MEI?

As causas de desenquadramento do MEI podem ser automáticas, obrigatórias ou a pedido do próprio empresário.

Entre as razões que levam ao desenquadramento estão:

  • ultrapassar o limite máximo de faturamento anual permitido para o MEI: R$81.000,00 anuais ou, em média, R$6.750,00 mensais;
  • empreendedor se tornar proprietário ou sócio de outra empresa;
  • necessidade de contratação de mais funcionários além do permitido para o MEI que, no caso, é apenas 1 funcionário CLT;
  • inclusão de um ou mais sócios em uma empresa que é registrada como MEI;
  • abertura de uma filial, o que não é permitido para o MEI;
  • mudança da atividade econômica principal ou adição de uma atividade não permitida na lista de atividades do MEI.

Exemplos de que chegou a hora do desenquadramento MEI

Em um pequeno negócio que começou como MEI, algumas mudanças indicam que é necessário fazer o desenquadramento. Uma delas é quando o faturamento anual fica acima dos R$ 81 mil permitidos. Isso significa que seu negócio conseguiu crescer, e é preciso deixar de ser MEI para adotar outro enquadramento empresarial.

A necessidade de contratar mais de um funcionário é outro sinal de que a hora do desenquadramento chegou. Digamos que você trabalhe na cozinha do restaurante e precise de uma pessoa atendendo as mesas e outra cuidado do caixa. Fazer o desenquadramento do MEI para ME (microempresa), por exemplo, possibilita a contratação desses funcionários, o que até ajuda o negócio a crescer mais.

Mais um exemplo de um bom momento para fazer o desenquadramento é quando você consegue um sócio para o negócio. Caso haja alguém de confiança com interesse em investir na ideia, pode ser bem vantajoso mudar de enquadramento empresarial, mesmo se o faturamento ainda estiver dentro do limite anual de R$ 81 mil.

Quais as diferenças entre MEI e ME?

O Microempreendedor Individual (MEI) e a Microempresa (ME) são categorias empresariais com diferenças marcantes. 

O MEI tem um teto de faturamento de R$81.000,00 por ano, permite apenas um sócio e um funcionário CLT, e não permite participação em outras empresas. A tributação é fixa, baseada na atividade, e o processo de abertura e fechamento do CNPJ é simplificado e digital, com dispensa da emissão de notas fiscais para a maioria das operações.

Em contraste, a ME pode faturar até R$360.000,00 anualmente, empregar até 9 funcionários, incluindo sócios, e permite participação em outras empresas. A tributação varia conforme o faturamento, e a ME enfrenta mais obrigações tributárias, com um processo de abertura e fechamento do CNPJ que depende da localidade e do tipo de atividade. Diferente do MEI, a ME é obrigada a emitir notas fiscais para todas as operações.

Essas diferenças refletem o nível de formalidade e as exigências fiscais, influenciando a escolha do regime empresarial. O MEI é mais acessível e menos burocrático, ideal para pequenos empreendedores, enquanto a ME suporta um negócio maior, com mais flexibilidade em atividades e maior capacidade de faturamento.

Como realizar o desenquadramento do MEI?

Quando o negócio não consegue mais cumprir todas as exigências para ser MEI, é obrigatório realizar o desenquadramento da condição de Microempreendedor Individual. Na prática, este é o passo a passo do procedimento:

  • acessar o portal do Simples Nacional, na parte do “SIMEI | Desenquadramento”;
  • clicar em “código de acesso” na opção de Comunicação de Desenquadramento do SIMEI;
  • informar alguns dados, como CPF, CNPJ e o seu código de acesso;
  • informar o motivo do desenquadramento e a data em que a razão da mudança ocorreu;
  • aguardar que o pedido de desenquadramento MEI seja analisado.

É importante destacar que, se você vai fazer essa mudança apenas por opção, ela pode ser realizada a qualquer momento. Porém, quando ocorre um desenquadramento do MEI por faturamento que ultrapassa o limite permitido, o procedimento é um pouco diferente.

Nesse caso, é preciso fazer a Declaração Anual de Faturamento (DASN) logo no mês de janeiro seguinte ao ano em que o teto de R$ 81 mil foi excedido. Você vai informar o valor faturado e o sistema vai gerar um boleto para pagar. Esse boleto é referente aos impostos que o negócio deixou de recolher ao longo daquele ano.

O que fazer quando o limite de faturamento é ultrapassado?

Quando o limite de faturamento é ultrapassado, significa que sua empresa está crescendo e talvez não se enquadre mais como MEI. Isso é um sinal de sucesso, mas também implica em mudanças, incluindo a transição para um novo tipo de negócio, como microempresa, e um regime tributário diferente.

O limite anual de faturamento para o MEI é de R$ 81.000,00, o que equivale a cerca de R$ 6.750,00 por mês. Esse valor é proporcional ao ano de abertura do MEI. Quando ocorre o excesso de faturamento, há duas opções:

Faturamento excedido, mas inferior a 20%

Se o faturamento ultrapassou, mas não chegou a 20% acima do limite (ou seja, entre R$ 81.000,01 e R$ 97.200,00), a empresa deve comunicar a Receita Federal até o último dia útil do mês seguinte ao mês em que ocorreu o excesso. 

Ela continua como MEI até o final do ano e migra para microempresa no ano seguinte.

Faturamento excedido acima dos 20%

Se o faturamento excedeu 20% do limite, a empresa deve comunicar o desenquadramento até o último dia útil do mês seguinte ao mês do excesso. 

Nesse caso, a empresa deixa de ser MEI desde o início do ano em que ocorreu o excesso. Além disso, é importante procurar um contador para regularizar as declarações e tributos desde o início do ano.

Quais as vantagens de se tornar ME?

Se o seu negócio não se encaixa mais nos quesitos necessários para ser MEI, ser ME talvez seja uma possibilidade pra você. 

Confira quais as principais vantagens de se tornar um Microempresa:

  • Possibilidade de contar com mais de um sócio, sendo possível também a sua participação no quadro societário de outras empresas;.
  • Limite de faturamento de 360 mil reais anuais, ou 30 mil reais mensais em média;
  • Sem limite para contratação de empregados.

Quais as consequências e obrigações após o desenquadramento MEI?

Além de fazer o pedido de desenquadramento MEI e quitar a dívida com o Simples Nacional, no caso de quem ultrapassou o limite de faturamento anual, a pessoa empreendedora ainda precisa cumprir outras obrigações. Um exemplo disso é fazer a migração para outro enquadramento empresarial, como empresa individual ou sociedade limitada, entre outras possibilidades.

Nesse processo, o ideal é contar com um profissional de contabilidade para regularizar toda a parte fiscal e tributária do negócio a partir do desenquadramento. Afinal de contas, o recolhimento de tributos do MEI é bastante simplificado, enquanto outros tipos de empresa precisam realizar uma contabilidade mais detalhada para não errar na hora de cumprir suas obrigações.

Planejamento tributário após o desenquadramento: escolha do regime ideal

Uma etapa essencial após o desenquadramento MEI é a escolha do novo regime de tributação. São 3 opções: Simples Nacional, Lucro Presumido e Lucro Real. Para encontrar o melhor regime para o negócio, é interessante pedir que o profissional de contabilidade faça uma simulação, levando em conta a situação financeira da empresa.

Desse jeito, você vai escolher um enquadramento empresarial e um regime tributário que sejam vantajosos para o negócio nessa nova etapa da sua jornada. A depender da opção selecionada, é possível pagar mais ou menos impostos, além de simplificar o recolhimento dos valores.

Perguntas frequentes sobre desenquadramento MEI

Confira, a seguir, as principais dúvidas sobre o assunto:

Posso voltar a ser MEI depois do desenquadramento?

É possível voltar a ser MEI após o desenquadramento, mas é necessário seguir alguns passos. Primeiramente, é preciso procurar a Receita Federal para solicitar a reversão do pedido. Cada caso é analisado individualmente, levando em consideração as razões do desenquadramento e do pedido de cancelamento.

Em algumas situações, ocorre o desenquadramento mesmo que todas as regras tenham sido seguidas. Se o empreendedor não pediu essa mudança e pode provar que tudo estava em conformidade, deve contatar a Receita Federal. Assim, poderá entender o motivo do desenquadramento e fazer o necessário para retornar à condição de MEI.

O desenquadramento MEI é automático?

A Receita Federal realiza o desenquadramento automático do MEI em três situações específicas:

  • quando uma filial da empresa é aberta;
  • quando há inclusão de uma atividade econômica não permitida para a categoria.
  • quando há alteração da natureza jurídica, descaracterizando o empreendimento individual.

Nesses cenários, o desenquadramento acontece automaticamente no mês seguinte à ocorrência do evento. Por exemplo, se um desses descumprimentos ocorrer em agosto, o MEI é desenquadrado a partir de 1 de setembro.

Lembre-se de realizar uma consulta sobre o desenquadramento MEI para entender a situação do seu estabelecimento antes de tomar qualquer medida.

O desenquadramento opcional pode ser feito a qualquer momento?

Sim, o desenquadramento opcional do MEI pode ser solicitado a qualquer momento pelo empreendedor. No entanto, a efetivação da mudança depende do mês em que o pedido foi feito. 

Por exemplo, se o pedido for feito em janeiro, a mudança passa a valer dentro do mesmo ano. Já os pedidos feitos entre fevereiro e dezembro só terão efeito a partir do primeiro dia do ano seguinte.

O que acontece quando o MEI é desenquadrado?

Após o desenquadramento do MEI, seja por solicitação do empreendedor ou de forma automática, é importante buscar a orientação de um contador

Além disso, é possível verificar os próximos passos necessários consultando o Manual de Registro de Empresário Individual, disponibilizado pelo Ministério da Economia.

Qual o prazo para pedir o desenquadramento do MEI?

Você pode solicitar o desenquadramento do MEI por opção a qualquer momento. Esse pedido produzirá efeitos a partir do dia 1º de janeiro do ano seguinte, exceto se feito em janeiro, quando os efeitos começam no mesmo ano.

Quanto tempo leva para desenquadrar MEI para ME?

O tempo necessário para desenquadrar um MEI para ME pode variar dependendo da opção escolhida: se você optar por dar baixa no MEI e abrir um novo CNPJ como ME, ou se preferir fazer a migração diretamente.

Além de saber as diferenças entre MEI E ME, no caso da migração, é importante considerar o passo a passo necessário antes de estimar o tempo total do processo:

  • solicite o desenquadramento do MEI no Portal do Simples Nacional;
  • comunique a Junta Comercial do seu estado;
  • atualize os dados cadastrais da empresa em todos os órgãos responsáveis;
  •  pague os tributos e impostos devidos. 

O tempo pode variar de acordo com a eficiência de cada etapa e dos órgãos envolvidos.

Como saber se fui desenquadrado do MEI?

Para verificar se você foi desenquadrado do MEI, ou para qualquer outra empresa, a forma mais simples é por meio do Portal do Simples Nacional, utilizando apenas o CNPJ da empresa.

Acesse o portal. Selecione “Consulta Optantes“. Insira o CNPJ da empresa e clique em “Consultar“. A consulta mostrará o nome empresarial e a situação perante o Simples Nacional. Indicará se está como MEI e desde quando.

O desenquadramento MEI é um passo essencial para empresários cujos negócios ultrapassam os limites desse regime. Seja por opção ou de forma automática, é preciso estar ciente dos procedimentos envolvidos para garantir uma transição tranquila e estar em conformidade com a legislação.

Uma vez que existem situações em que o desenquadramento MEI se torna necessário, é fundamental realizar esse procedimento no momento adequado para não ter problemas com a fiscalização. Vale ressaltar que é muito importante procurar orientação especializada para evitar erros, principalmente na escolha do novo regime tributário. Assim, você garante o crescimento da empresa de forma tranquila e sustentável.

Antes de ir, confira 14 planilhas que você pode baixar para ajudar na gestão do seu negócio!

Author picture

6 respostas

  1. Qual as mudanças que tenho que fazer depois que eu deixar de ser mei para me e fazer o desenquadramento, tenho que fazer novo cadastro, como funciona?

    1. Oi Dilma. Não precisa! Fale com um de nossos especialistas para te ajudar! Para acioná-lo, vá ao Portal do Parceiro, clique em “Chamados e ajuda” e logo depois em “Atendimento”.

  2. ola,
    Como nao acho um canal de contato com o Ifood estou utilizando esse meio.

    Ja cadastrei minha loja como parceira mas como nao utilizei a venda pelo ifood pedi para cancelar a minha conta.
    Agora quero retomar o cadastro pois me sinto apta a vender no ifood.
    Tentei acessar o portal de parceiro como se ja fosse um cliente e apos inserir o e-mail e o código de 6 numeros recebidos via e-mail a pagina seguinte da o seguinte erro: Parece que algo deu errado
    Estamos com problemas para carregar a aplicação. Você pode tentar recarregar.

    E, se tento fazer um novo cadastro, ao final de todo o processo (apos ele correr o % para criar o contrato) o sistema informa que ja tenho CNPJ cadastrado.

    Como resolvo esta situacao ?

    1. Oi ANdrea! Vamos entender melhor o seu problema, por favor envie o CNPJ e um telefone para contato na DM do nosso instagram (@ifoodparaparceiros), que vamos te ajudar por lá, ok?!

  3. Eu dei baixa no meu cnpj e não consigo fechar a loja pelo aplicativo e estão usando de forma errada o que faço estou desesperada

    1. Olá, Marcia. Tudo bem?
      Para que nosso time responsável possa ajudar, envie um direct para a nossa página oficial no Instagram @ifoodparaparceiros. Não se esqueça de nos informar o CNPJ, telefone para contato com DDD e e-mail.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Parceiro iFood recebendo pedido.

Assine a newsletter e receba em seu e-mail novos conteúdos que vão ajudar a melhorar o desempenho do seu negócio!

POSTS RELACIONADOS

11/07/2024

Growth Marketing: entenda como aplicar no negócio para aumentas as ...

10/07/2024

Case de sucesso: entenda como o Forno Paulista voou com o iFood

10/07/2024

Como transformar o Dia Mundial do Rock em uma oportunidade de vendas

 

Ingressos disponíveis!

Garanta sua presença no evento que vai mover o mercado de Food Delivery