O que é uma foodtech? Entenda o conceito

Você sabia que o iFood é uma foodtech? Entenda o que são essas empresas e como elas beneficiam negócios do setor alimentar!

Em tempos de tecnologia avançada, a economia gira em torno de inovações cada vez mais surpreendentes e práticas. A tecnologia afeta todos os setores econômicos, o que inclui o mercado alimentício — e a modalidade foodtech é um bom exemplo disso.

A palavra é uma junção de dois termos: “food”, ou “comida”; e “tech”, abreviação de “technology” — ou “tecnologia”. Empresas desse tipo visam atender à necessidade do setor alimentar de mais eficiência e agilidade.

Entenda, a seguir, o que são e como funcionam as foodtechs!

Foodtech: o que é isso?

Foodtechs são empresas emergentes que aliam a tecnologia à alimentação. Ou seja, elas promovem inovações no mercado alimentício. Essas empresas facilitam diversos procedimentos, tanto para a gestão de negócios como para a clientela deles.

Uma foodtech conta com novas tecnologias como a Internet das Coisas (IoT), a Inteligência Artificial (IA) e o Big Data. Esses recursos podem ser aplicados a diversas etapas das atividades comerciais — da produção dos itens à entrega, ou até na redução de desperdícios.

Quais os benefícios?

Aspectos benéficos tanto para os negócios como para a clientela são o contato facilitado entre estabelecimento e cliente e a otimização de diversos serviços. Um bom exemplo de serviço otimizado pelas foodtechs é o delivery, que se torna mais ágil e prático quando conta com o amparo da tecnologia.

Com procedimentos otimizados, as empresas observam uma maior satisfação por parte da clientela, já que o atendem às demandas de forma eficaz e rápida. Há, ainda, a possibilidade de redução no impacto ambiental causado pela produção de comida.

Como as foodtechs funcionam na prática?

As foodtechs usam os recursos tecnológicos para oferecer e otimizar uma ampla variedade de serviços. Alguns exemplos são:

  • alimentos do futuro, como carnes veganas, suplementos ou proteínas em cápsulas;
  • marketplace, modalidade que oferece insumos para a produção ou finaliza operações B2B e B2C de forma mais prática;
  • delivery, que entrega o pedido diretamente no endereço solicitado pelo cliente;
  • biotecnologia, que possibilita prever a produção de resíduos e, a partir disso, minimizar desperdícios;
  • aplicativos que cruzam dados dos clientes;
  • softwares que identificam a origem dos insumos e rastreiam até o consumidor final.

Quais as tendências atuais?

Segundo a AgTech Garage News, as principais tendências de 2022 no mercado de foodetchs foram: as proteínas fermentadas em ebulição, a carne de laboratório, as campanhas contra o desperdício, o delivery de produtos frescos e o kit para o preparo de refeições.

Entre as foodtechs totalmente brasileiras, seis que têm ganhado destaque são: BeeGreen (alimentos sem agrotóxicos); Beleaf (alimentação vegana); Foodz (shakes em pó); LivUp (ultracongelados); Pratí (ultracongelados, marmitas, risotos, carnes e salgados); e Raízs (cestas de orgânicos).

O iFood é uma foodtech?

O iFood — também brasileiro — não somente é uma foodtech, como é a maior de todas na América Latina.

Além de revolucionar os serviços de entrega, o iFood faz conexões entre empresas privadas e organizações sociais no combate ao desperdício de alimentos. É, ainda, a primeira foodtech brasileira que assinou o Pacto Global da ONU, iniciativa para sustentabilidade empresarial.

O iFood oferece diferentes soluções tecnológicas, que visam impulsionar o crescimento do mercado de alimentação no Brasil, como:

Como as foodtechs ajudam pequenos empreendedores?

Em relação à logística, aliar-se com foodtechs significa menos gastos e otimização de tempo. Ambos os aspectos são valiosos para qualquer empreendimento, mas ainda mais cruciais quando se trata de empresas menores.

Ao contar com uma foodtech, o pequeno empreendedor tem acesso a recursos tecnológicos avançados que otimizam seus processos — e, por consequência, seus lucros — sem precisar arcar com gastos elevados. É possível, por exemplo, entender melhor o perfil da clientela e direcionar melhor o cardápio e as ações de marketing.

Foodtechs como o iFood são grandes aliadas de pequenos empreendedores, já que ajudam seus estabelecimentos a ganhar visibilidade. Afinal, há um número alto de potenciais clientes que acessam a plataforma, e por meio do uso de filtros, por exemplo, um usuário pode concluir que seu negócio é exatamente o que ele procurava.

Além de ganhar visibilidade, é fundamental saber como promover seu negócio. Confira já um guia de marketing para restaurantes!

Por iFood

Por iFood

Uma resposta

  1. of course like your website but you have to test the spelling on quite a few of your posts. A number of them are rife with spelling problems and I in finding it very bothersome to tell the reality however I?¦ll definitely come again again.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Parceiro iFood recebendo pedido.

Assine a newsletter e receba em seu e-mail novos conteúdos que vão ajudar a melhorar o desempenho do seu negócio!

POSTS RELACIONADOS

21/05/2024

Melhoria contínua: o que é, objetivo e como aplicar

20/05/2024

Confira como foi o Fórum de Restaurantes de Maio

20/05/2024

Embalagem para marmita: 6 melhores opções