Variação do dólar: como ela afeta o setor alimentício?

Quer saber como a variação do dólar influencia o setor alimentício? Confira as informações deste post para descobrir.

Quando se fala em variação do dólar, pode parecer que o assunto só interesse mais aos investidores e pessoas que vão viajar para o exterior em breve, mas não é bem assim. A moeda americana influencia a economia brasileira de muitas maneiras, afetando até os pequenos negócios do setor alimentício.

Só ao longo do mês de agosto de 2023, por exemplo, o dólar acumulou altas de 4,68%. Muita coisa influencia a cotação diária, como questões políticas e econômicas, e períodos de crise causam ainda mais instabilidade. Não tem como controlar a variação do dólar, mas você pode entender como ela funciona e impacta seu negócio, para descobrir como proteger a saúde financeira da empresa.

Continue a leitura e entenda como a variação do dólar pode afetar seu negócio!

Quais os efeitos da variação do dólar?

A variação do dólar influencia o cenário econômico brasileiro de diversas maneiras:

  • mudanças nos preços de produtos importados, que ficam mais caros com a alta do dólar;
  • mudanças nos preços de produtos fabricados no Brasil que utilizam matéria-prima importada;
  • mudanças nos preços de combustíveis;
  • a alta nos preços de combustíveis influencia os preços dos produtos, pois mais de 60% das cargas são transportadas pelas rodovias;
  • com o valor do dólar alto, empresas que fazem exportação de seus produtos têm maior faturamento;
  • oscilação nos custos das viagens internacionais, uma vez que os preços de passagens, hospedagens e outros gastos no exterior variam conforme o dólar;
  • mudanças no custo de vida para a população.

Como o mercado alimentício é impactado no Brasil?

Os impactos da variação do dólar chegam ao mercado alimentício, principalmente, por meio das mudanças nos preços. Com o dólar em alta, alimentos com preços definidos conforme o mercado internacional ficam mais caros. É o caso do trigo, do milho e da soja, que fazem parte da base da alimentação no país.

O aumento nos preços de alguns alimentos ainda consegue influenciar os preços de outros. Um exemplo disso é a carne, já que o gado costuma ser alimentado com uma ração produzida a partir de soja e milho. Se esses insumos estão mais caros, então, o custo da produção da carne também está — e isso é repassado aos consumidores.

A oscilação nos preços dos combustíveis é mais um fator que impacta o mercado alimentício no Brasil. Como muitos alimentos são transportados pelas estradas, o combustível caro faz com que os preços desses produtos também subam consideravelmente.

De que forma isso afeta os restaurantes?

Se a variação do dólar influencia a indústria de alimentos, é natural que também afete os restaurantes e outros estabelecimentos do setor alimentício. Mais uma vez, o aumento dos preços é o grande vilão, que faz com que a compra dos insumos para a cozinha pese muito mais no orçamento.

Com o custo da produção dos itens que compõem o cardápio mais alto, e até mesmo as bebidas importadas mais caras, parece que o caminho natural é repassar esse impacto para o consumidor, certo? Essa parece ser a solução mais lógica, só que não é tão simples. O reajuste nos preços tende a afastar, pelo menos, uma parcela dos clientes.

Segundo o reporte de Food&Tech Trends da GALUNION, ter preço justo é um dos principais critérios de escolha de um restaurante para 58% dos consumidores. A pesquisa também aponta que o aumento dos preços do menu é o motivo pelo qual 64% das pessoas deixam de consumir em restaurantes ou diminuem a frequência de consumo.

Afinal de contas, comer em restaurante não é uma necessidade básica. Para esses estabelecimentos, repassar o aumento dos preços ao consumidor é um processo bem mais complicado do que para os supermercados, onde as pessoas compram itens da cesta básica.

Mesmo assim, o reporte ainda traz a informação de que aumentar os preços de venda do menu é a solução adotada por 47% dos operadores diante do aumento do custo dos insumos. Esse dado evidencia como a variação do dólar pode colocar os restaurantes em uma situação delicada, que exige cuidado para ser possível não ter prejuízos nem perder clientes.

Como a variação do dólar impacta o pequeno empreendedor?

Para os pequenos negócios, os impactos da variação do dólar também são um desafio. Os preços de insumos básicos, como a farinha de trigo, podem aumentar, influenciando diretamente o custo de produção de vários itens do cardápio. Massas, pães e bolos são apenas alguns dos exemplos de produtos afetados.

A mudança nos preços leva à necessidade de uma nova precificação. Para não perder clientes devido ao repasse dos custos, uma possibilidade é o negócio tentar absorver as despesas tanto quanto possível. Mas, mesmo assim, é importante apostar em outras soluções que garantam um preço equilibrado.

Nesse sentido, o reporte da GALUNION destaca algumas estratégias (além do ajuste dos preços do menu) que costumam ser adotadas no setor alimentício, quando é preciso se adaptar ao aumento de custos de insumos:

  • redução de desperdícios — mais atenção aos processos pode revelar que os insumos podem ter um aproveitamento maior;
  • novos fornecedores — se os preços estão muito altos, vale a pena formar novas parcerias para adquirir os produtos com preços mais em conta;
  • corte de custos — é possível diminuir os custos de outro setor do estabelecimento, de modo a compensar o aumento nos gastos com insumos;
  • substituição de ingredientes — quem está no comando da cozinha pode usar a criatividade para substituir um ingrediente por outro sem diminuir a qualidade do alimento;
  • ajuste de tamanho das porções — embora seja uma estratégia não tão bem aceita pelo público, há quem reduza o tamanho das porções para não ter que aumentar o preço;
  • retirada de itens — quando o custo se torna muito alto e a margem de lucro é bastante afetada, o item acaba sendo retirado do menu.

Os impactos da variação do dólar podem ser sentidos pela sociedade, inclusive pelos pequenos restaurantes e outros estabelecimentos do setor alimentício. Por isso, é importante prestar atenção e acompanhar o cenário econômico para procurar, cada vez mais, adotar estratégias em manter a saúde financeira do negócio.

Quer mais informações úteis para você ficar por dentro do assunto? Confira agora o que é mais relevante saber sobre o contexto e as perspectivas para empreendedores na economia brasileira!

Por iFood

Por iFood

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Parceiro iFood recebendo pedido.

Assine a newsletter e receba em seu e-mail novos conteúdos que vão ajudar a melhorar o desempenho do seu negócio!

POSTS RELACIONADOS

17/05/2024

Desvendando o ciclo do pedido: etapas, como medir e desafios

16/05/2024

À la carte: o que é, como funciona e dicas essenciais

15/05/2024

Negócios lucrativos: quais são e como garantir sucesso?

 

Ingressos disponíveis!

Garanta sua presença no evento que vai mover o mercado de Food Delivery