Comida natural: conheça o mercado e as tendências

A comida natural é uma ótima adição para o seu cardápio, que pode atrair um novo público. Entenda mais sobre o tema neste post!

Muitos clientes desejam uma dieta focada na comida natural para complementar outros hábitos saudáveis, como a prática de exercícios. Além disso, desejam se prevenir contra as doenças causadas por alimentos processados.

Nesse sentido, a comida natural surge com um cardápio eclético de alimentos para deliciar aqueles que se interessam por ingredientes naturais. Além disso, gestores de comércios alimentícios também podem contar com ela para diversificar os seus pratos e atrair mais clientes.

Entenda o que é a comida natural e como oferecê-la em seu estabelecimento!

O que é comida natural?

O conceito de comida natural tem a ver com os alimentos que estejam em seu estado mais natural possível, isto é, sem alterações químicas ou sintéticas. Ela pode ser de origem tanto vegetal como animal. Carnes resfriadas ou congeladas, por exemplo, seriam alimentos minimamente processados de origem animal.

Nesse sentido, há uma diferença em relação à comida orgânica: embora ambos enfatizem a saudabilidade, a natural não é processada, já que o termo “natural” resume o aspecto de ser tirada diretamente da natureza.

Já a comida orgânica passa por um processo de manufatura. Desde o cultivo, os alimentos seguem uma série de parâmetros que evitam a utilização de agrotóxicos, por exemplo.

Quando o conceito surgiu, a comida natural incluía diversas “ramificações”, como a vegetariana, light, diet e macrobiótica. Com o tempo, o termo passou a ser usado em referência a alimentos mais frescos e com o menor nível de processamento possível.

Por que o consumo de comida natural se tornou uma tendência?

A comida natural é representada por alimentos como frutas, legumes e sementes, que já são normalmente associados à cozinha sustentável. Esses alimentos são ricos em nutrientes, como vitaminais, fibras e minerais.

Além disso, não há adição de componentes nocivos como açúcar, sal e gordura. Na contramão desses itens processados, o consumo de alimentos naturais reduz as chances de problemas de saúde, como colesterol alto e doenças cardíacas, normalmente associados às comidas processadas.

Para pessoas que buscam um estilo de vida mais saudável, portanto, a busca por uma alimentação natural faz total sentido. Mas vale ressaltar que é preciso buscar equilíbrio, mesclando proteínas — como cortes de carne resfriada ou congelada, soja e oleaginosas — com verduras e frutas.

Como criar um cardápio com alimentos naturais?

Como você já sabe, é importante mesclar diferentes tipos de alimentos em um mesmo prato. Nesse sentido, uma ideia de café da manhã equilibrado seria: pão integral, ovos mexidos e suco natural de frutas.

Já almoços e jantares podem se equilibrar com um prato de salada, carboidratos, proteínas e verduras — ou legumes. Nessas refeições, há um amplo leque de escolhas, que inclui:

  • carboidratos: arroz integral, purê de batata, mandioquinha;
  • proteínas: filé de peixe, alimentos com soja, almôndega de lentilhas;
  • prato de salada, como alface, rúcula, pepino, cebola;
  • legumes, como tomates, abobrinha, espinafre refogado.

Use e abuse da criatividade — desde que os componentes sejam os mais naturais possíveis. Como há um grande mercado consumidor para esse tipo de dieta, ela é uma grande oportunidade para os diversos estabelecimentos da indústria de alimentos.

Como incorporar a comida natural em um “cardápio normal”?

A comida natural também pode ser incorporada a itens que um estabelecimento já ofereça, para oferecer os nutrientes necessários para que a refeição se torne mais variada e saudável.

Um clássico prato feito com arroz, feijão, legumes e bife, por exemplo, pode ter variações como a introdução de um filé de peixe e um arroz integral, para variar. Do mesmo modo, os legumes podem ser duplicados, em uma porção de mesmo tamanho, mas com um colorido especial para garantir um prato atrativo.

A comida natural envolve uma diversidade de alimentos, que proporcionam muitos itens para enriquecer o cardápio de comércios alimentícios e o food service. Também é possível adicionar certos ingredientes para modificar opções já existentes.

Para saber como apresentar melhor as opções, descubra como escolher um modelo de cardápio!

Por iFood

Por iFood

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Parceiro iFood recebendo pedido.

Assine a newsletter e receba em seu e-mail novos conteúdos que vão ajudar a melhorar o desempenho do seu negócio!

POSTS RELACIONADOS

21/05/2024

Melhoria contínua: o que é, objetivo e como aplicar

20/05/2024

Confira como foi o Fórum de Restaurantes de Maio

20/05/2024

Embalagem para marmita: 6 melhores opções