O que é duplicata, como funciona e quando usá-la!

Você sabe como dar ao fornecedor uma garantia de que um pagamento a prazo será quitado? Então aprenda sobre a duplicata agora mesmo!

Todo empreendimento faz algum tipo de transação comercial, seja pela prestação de serviços ou pela venda de produtos. Mas, às vezes, não há dinheiro em caixa para pagar colaboradores e fornecedores, além das diversas despesas da empresa. Nessas situações, a duplicata pode ser uma alternativa interessante.

Por meio desse recurso, a empresa que realiza a compra ou assume a obrigação de pagar outra coisa pode ganhar tempo para finalizar o pagamento, sem que a outra parte fique em risco. Ou seja, há a possibilidade de aguardar até que o dinheiro entre no caixa, a partir da venda de pedidos, por exemplo.

Entenda melhor como funciona a duplicata, sua importância e como pagá-la!

O que é duplicata e para que serve?

A duplicata é um título de crédito emitido pelo credor para ratificar uma transação comercial. Esse documento registra o valor que deve ser pago, bem como a data de vencimento da fatura.

Imagine que você seja responsável por um bar e, portanto, precise comprar bebidas de um fornecedor. Se essa compra for feita a prazo, você pode recorrer à duplicata, com o papel de ser uma prova de que um é credor do outro, sendo uma promessa de pagamento da dívida.

Quais os tipos de duplicata?

Para que você consiga fazer uma melhor gestão financeira no seu estabelecimento, é importante conhecer os quatro principais tipos de duplicata, que são:

  1. mercantil: emitida por empreendimentos que vendem produtos, bastante utilizada por empresas do ramo alimentício — logo, essa modalidade é especialmente relevante para a gestão de restaurantes e afins;
  2. virtual: pode ser emitida pela Internet após a efetivação da venda ou prestação de serviço;
  3. de prestação de serviços: como o próprio nome diz, é utilizada por estabelecimentos que só prestam serviços;
  4. padrão: é o documento preenchido, emitido de forma impressa e enviado à instituição bancária para recebimento.

Como pagar uma duplicata?

O credor deve enviar a duplicata ao banco — ou outra instituição financeira — de referência para receber o boleto de pagamento.

Após a emissão, o vendedor tem 30 dias para enviar o produto, e o devedor tem um prazo de 10 dias para devolver a duplicata com aceita ou recusa. Depois disso, ela deve ficar em posse do prestador de serviço ou vendedor, como uma promessa de pagamento de dívida.

O boleto emitido ao credor deve ser entregue à parte devedora, para que o pagamento seja efetuado como o de qualquer boleto comum. A instituição bancária também pode encaminhar uma versão digital ao devedor. Após o pagamento, a duplicata é declarada como quitada.

Como funciona o aceite?

É obrigatória a emissão da fatura, com a descrição dos serviços prestados ou mercadorias vendidas, bem como a quantidade de produtos e o valor. Nas transações a prazo, o pagamento integral deve ser feito em até 30 dias após a data de entrega das mercadorias ou da prestação dos serviços.

Existem três tipos de aceite da duplicata. No aceite ordinário, o devedor assina fatura e, depois, devolve. No aceite por comunicação, o devedor fica com a fatura e informa o aceite por escrito. Já o aceite por presunção ocorre quando o devedor recebe a mercadoria, mas não recusa e nem assina a fatura.

Como preencher uma duplicata?

Na sua gestão empresarial, é importante saber como preencher uma duplicata corretamente para casos em que ela é necessário. Toda duplicata deve conter:

  • data de emissão;
  • a denominação “duplicata”;
  • número da fatura;
  • número de ordem;
  • praça de pagamento;
  • nome e endereço do comprador e vendedor;
  • data de vencimento;
  • valor a pagar, por extenso e em algarismos;
  • cláusula à ordem;
  • declaração de reconhecimento de obrigação de pagá-la, sendo assinada pelo comprador, como aceite;
  • assinatura do emitente.

Em suma, a duplicata é um modelo de título de crédito utilizado como ordem de pagamento nos casos em que o vendedor opta pelo pagamento a prazo. Como empreendedor, é sempre válido que você conheça todas as opções disponíveis em uma negociação, e essa é uma boa alternativa para dar credibilidade à sua promessa de quitação!

Aproveite a visita e entenda o que é e como construir o planejamento estratégico do seu negócio!

Por iFood

Por iFood

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Parceiro iFood recebendo pedido.

Assine a newsletter e receba em seu e-mail novos conteúdos que vão ajudar a melhorar o desempenho do seu negócio!

POSTS RELACIONADOS

23/04/2024

Não julgue APENAS pela casca: veja como escolher os melhores legume...

23/04/2024

Embalagem de produtos: transformando compras em experiências

23/04/2024

Conheça 4 molhos para macarrão que são deliciosos

 

Ingressos disponíveis!

Garanta sua presença no evento que vai mover o mercado de Food Delivery