7 tipos de sushi que você pode oferecer

Quais são os principais tipos de sushi? Quais são as diferenças entre eles? Confira no post!

O sushi é um alimento tão amado pelo mundo que até já ganhou a sua própria data comemorativa: 1º de novembro marca o dia em que apreciadores do mundo todo celebram essa criação. O mais interessante é que esse produto pode ser preparado de muitas formas. Por isso, empreendedores do comércio alimentício que queiram lucrar com essa iguaria precisam conhecer os diferentes tipos de sushi.

Sem tempo para ler? Clique no play abaixo para ouvir esse conteúdo.

A base é a mesma para todos eles: arroz temperado com peixe cru ou fruto do mar. No entanto, o prato aparece em diferentes formatos, desde os mais compactos até os maiores, que servem como uma legítima refeição inteira.

Confira os diferentes tipos de sushi e como cada um deles é feito!

1. Niguiri Sushi

O niguiri é aquele montinho de arroz acompanhado com uma fatia de peixe ou fruto do mar por cima. Pode ser salmão, camarão, linguado, atum, polvo e até lula, dependendo da estação do ano e da criatividade da equipe da cozinha.

O nome significa algo como “moldar com a mão”. Isso se explica quando reparamos no modo como ele é preparado: o bolinho de arroz costuma mesmo ser amassado à mão e leva wasabi, aquele tempero verde com espessura pastosa e gosto bem picante. No Brasil, ela também é conhecida como “raiz forte”.

Esse sushi costuma ser apreciado por quem quer uma versão mais pura do prato, com poucos ingredientes e mais fiel à tradição japonesa.

2. Hossomaki

A partir de agora, você conhecerá diversas variedades de sushi que têm “maki” no nome. O termo significa “enrolar”, o que explica uma característica compartilhada por todos eles: são acompanhados por uma extensão de alga, geralmente ao redor — menos no caso do uramaki, que você conhecerá depois.

É o caso do hossomaki, por exemplo: uma porção de arroz envolta em alga marinha escura, conhecida como “nori”: só pela descrição já fica mais fácil de visualizar qual é o hossomaki. Afinal, esse formato é um dos mais clássicos da cultura japonesa.

A principal diferença em relação aos outros sushis está no recheio, junto ao arroz. Diferentemente das outras opções, que admitem uma maior variedade de peixes, legumes, vegetais e frutas, o hossomaki tekamaki geralmente leva um pequeno pedaço de atum.

Essa é a versão clássica japonesa, mas no Brasil a peça ganhou em inventividade. Portanto, os cozinheiros podem acrescentar outros peixes e frutos do mar, assim como legumes e frutas. Cada empreendedor pode testar diferentes opções e testar a aceitação por parte dos consumidores.

3. Temaki

O temaki é o sushi com o formato mais peculiar e característico de todos, com o clássico formato de cone sendo bem parecido com uma casquinha de sorvete. Apesar de ser um tipo de sushi enrolado (ou seja, também parte da “família maki”, ele é diferente por não ter tantas camadas.

Por esse formato, o temaki é maior do que os outros tipos de sushi. Nesse sentido, ele pode servir até como uma refeição completa, dependendo recheio que você escolher.

No formato mais clássico, os recheios levam arroz e salmão, mas é possível colocar a criatividade para funcionar. Dá até pensar em uma versão mais saudável e dedicada a pessoas que praticam atividades esportivas regularmente, com legumes e frutas bem balanceadas para acompanhar os tradicionais pedaços de peixe.

4. Uramaki

Nos dois últimos sushis, você pôde notar que o arroz e as outras opções de recheio costumam vir por dentro, envoltos pela alga nori. Contudo, no uramaki acontece justamente o contrário — a alga vem por dentro e é envolvida pelo arroz. O termo “ura” pode ser traduzido como “reverso”

Portanto, na próxima vez em que você se deparar com um pedaço de salmão dentro de um pequeno bloco de arroz, já reconhecerá o uramaki rapidamente. Além do peixe, também é possível encontrar frutas e legumes, como manga, abacate e pepino.

O salmão também costuma ser figura marcante nessa combinação, mas empreendedores podem optar por versões mais baratas e igualmente deliciosas, optando por peixes como o atum.

5. Futomaki

O futomaki é uma espécie de versão mais grossa do hossomaki, também em uma deliciosa combinação entre arroz e nori. A robustez se deve ao recheio, mais bem polpudo em relação aos outros makis.

O recheio também pode variar, com alguns dos ingredientes mais comuns sendo o atum, o camarão, shiitake (cogumelos comestíveis) e ovo. A clássica versão japonesa tradicionalmente não leva peixe, apenas cogumelos e legumes.

6. Hot roll

Também conhecido no Brasil apenas como hot, esse sushi não é uma criação japonesa, mas americana. Essa influência fica bem óbvia quando você nota que essa peça é empanada e frita, destoando do método asiático de preparo dos outros tipos — que leva ingredientes crus.

O hot roll é um dos preferidos dos brasileiros, já que a parte frita agrada até mesmo a quem não gosta dos demais tipos de sushi. Inclusive, serve como uma espécie de introdução para quem quer provar o prato.

Cada rolinho frito é acompanhado de arroz, envolto por nori e o recheio, que varia muito de acordo com cada comércio. É possível encontrar os clássicos frutos do mar e vegetais, mas também opções com cream cheese.

7. Sashimi

O sashimi, de acordo com alguns especialistas, não é sushi. Contudo, como os dois são geralmente encontrados à venda nos mesmos lugares, vale a pena mencioná-lo como parte da cultura gastronômica japonesa e do sudeste asiático

O sashimi é um pedaço de carne crua servido em fatias finas e sem arroz. Salmão e atum são alguns dos mais utilizados para a preparação do sashimi. Não

Inclusive, o sashimi costuma ser muito confundido com o niguiri. Para nunca mais se confundir, lembre-se de que esse prato é servido sem arroz, enquanto o niguiri é caracterizado justamente pelo seu montinho característico de arroz.

Há diversos tipos de sushi para agradar todos os paladares e diferentes tipos de clientes. Isso é uma ótima notícia para empreendedores que querem começar a explorar os sabores asiáticos, uma vez que há espaço para criatividade e para adaptações. Além disso, a comida japonesa também faz muito sucesso nos aplicativos de delivery.

Por falar nesse assunto, aproveite para conhecer mais sobre o mercado de delivery de comida japonesa!

Author picture

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Parceiro iFood recebendo pedido.

Assine a newsletter e receba em seu e-mail novos conteúdos que vão ajudar a melhorar o desempenho do seu negócio!

POSTS RELACIONADOS

20/06/2024

Marketing para restaurantes: especialista mostra como começar

19/06/2024

Como funciona o Imposto de Renda MEI?

18/06/2024

IRPJ: confira o guia completo sobre essa declaração