Tire suas dúvidas sobre a entrega delivery

Quer saber como funciona a entrega delivery? Confira este post para tirar suas dúvidas e entenda como contratar!

A entrega delivery é um serviço que agiliza e facilita a atuação das lojas, ajudando-as a ampliarem seu mercado. Independentemente do canal de vendas, essa entrega a domicílio ainda oferece diversas vantagens para o consumidor.

Se há alguns anos era vantajoso fazer compras presenciais para ter o produto em mãos na hora, atualmente, a logística por trás da entrega delivery permite receber o produto no mesmo dia, com a opção de entrega em casa.

Mas, para contar com o serviço de entrega em domicílio na sua empresa, é preciso conhecer bem como ele funciona. Neste post, a administradora de empresas Taíne Hoffman explica os principais aspectos, dúvidas e benefícios desse processo. Confira!

Como funciona a entrega delivery?

A modalidade delivery surgiu por volta de 1980, e a função era simplificar a vida de quem fazia o pedido de comida.

Um fator que popularizou a entrega a domicílio foi o aparelho celular. Daí as lojas começaram a desenvolver aplicativos próprios para conseguir realizar vendas on-line.

O serviço de entrega delivery tornou-se, portanto, popular. Os pedidos podem ser feitos por site, aplicativos ou telefone.

As lojas começaram a se preparar para atender ao máximo de solicitações de entrega possíveis, como contratar entregadores para se encarregarem de fazer o transporte do pedido com segurança.

Atualmente, o serviço delivery não está limitado ao setor alimentício. Os e-commerces expandiram e abarcam diferentes setores: mobiliário, moda, eletrodomésticos etc. 

É possível comprar qualquer tipo de produto on-line e solicitar a sua entrega por delivery. O prazo de entrega e frete são calculados conforme a distância a ser percorrida e o produto solicitado.

O serviço de entrega em domicílio também foi impulsionado pelo surgimento de empresas especializadas em conectar pessoas entregadoras e lojas, como o iFood. Além disso, uma entrega rápida é algo que cativa os consumidores.

A pesquisa “A Visão dos Operadores de Estabelecimentos de Foodservice”, de 2022, mostrou alguns dos motivos que fizeram com que as pessoas abraçassem o delivery no país:

  • domínio da ocasião de consumo;
  • digitalização da compra, que garante maior comodidade na hora de pedir comida;
  • preços atrativos;
  • e, claro, comida gostosa.

A entrega delivery também proporcionou uma nova oportunidade profissional para muitas pessoas, de acordo com o IBGE:

“Em 2022, o Brasil tinha 1,5 milhão de pessoas que trabalhavam por meio de plataformas digitais e aplicativos de serviços, o equivalente a 1,7% da população ocupada no setor privado.

Desse total, 52,2% (ou 778 mil) exerciam o trabalho principal por meio de aplicativos de transporte de passageiros, em ao menos um dos dois tipos listados (de táxi ou não).

Já 39,5% (ou 589 mil) eram trabalhadores de aplicativos de entrega de comida, produtos etc., enquanto os trabalhadores de aplicativos de prestação de serviços somavam 13,2% (197 mil).”

Qual o modelo de contratação?

A administradora de empresas Taíne Hoffman explica que é impossível determinar, com certeza, qual é o “melhor modelo de contratação”, afinal, cada caso é diferente. No entanto, há algumas práticas que ajudam a entender melhor cada contexto e tomar decisões de forma precisa.

Essa análise deve levar em conta a natureza do negócio, o volume de pedidos, os recursos financeiros disponíveis e os objetivos de longo prazo, por exemplo”, explica. “Após conhecer essas variáveis, é fundamental entender os prós e contras de cada modelo de contratação”.

Ela ainda conta que, na contratação direta, por exemplo, o restaurante tem maior controle sobre a qualidade do serviço de entrega, incluindo a apresentação e o comportamento dos entregadores, o que pode reforçar a imagem da marca.

Além disso, é comum que os entregadores desenvolvam um maior senso de lealdade e comprometimento com o restaurante, melhorando a qualidade do serviço”, aponta Taíne.

Por outro lado, ela alerta que a contratação direta gera custos adicionais, como salários, benefícios, seguros e manutenção dos veículos — que podem ser significativos, especialmente para pequenos estabelecimentos.

O restaurante ainda tem que assumir todas as responsabilidades legais e administrativas relacionadas aos empregados, o que requer gestão de recursos humanos e conformidade com a legislação trabalhista”, acrescenta.

Já a terceirização dos serviços também há prós e contras. Mas, entre as vantagens, é possível mencionar a redução dos custos operacionais, já que o restaurante não precisa arcar com salários fixos, benefícios ou custos de manutenção de veículos.

Uso de plataformas especializadas

Taíne Hoffman menciona a importância de contar com plataformas especializadas. “As plataformas de entrega oferecem acesso a uma grande base de entregadores, permitindo que o restaurante seja ágil ao escalar para atender a picos de demanda sem a necessidade de contratação permanente”.

Contudo, o restaurante tem menos controle sobre a experiência de entrega, o que pode afetar a percepção da marca pelos clientes. Além disso, a dependência de terceiros para uma parte crítica do serviço pode ser arriscada, especialmente se houver problemas de qualidade ou disponibilidade de entregadores.

Por fim, embora possa haver uma redução nos custos fixos, os custos variáveis com taxas de serviço das plataformas são significativos, especialmente em períodos de alta demanda.

Se você valoriza ter controle total sobre como as entregas são feitas e quer garantir a qualidade do serviço como uma forma de se destacar, a contratação direta pode ser a melhor escolha”, indica Taíne. Do mesmo modo, se você prefere evitar os custos fixos e gosta da flexibilidade para poder lidar com muitas entregas de uma vez só, terceirizar pode ser mais vantajoso.

É possível fazer a contratação de pessoas entregadoras por meio de empresas especializadas. Há algumas, inclusive, que oferecem uma frota própria para fazer entregas a outras lojas. 

Quem é responsável pela moto da entrega?

Depende de como o trabalho é organizado e dos acordos firmados entre o restaurante e as pessoas entregadoras que prestam serviço para o estabelecimento. Isso também vale para a manutenção das motos.

“Quando os entregadores trabalham por conta própria ou são contratados por aplicativos como o iFood, geralmente, são eles mesmos que têm que assumir a manutenção”, explica Taíne. “Eles são trabalhadores independentes, então, é responsabilidade deles garantir que suas motos estejam em bom estado para fazer as entregas com segurança e eficiência”.

Contudo, é preciso ter em mente aquelas situações nas quais o estabelecimento contrata as pessoas entregadores de maneira direta. Nesse caso, o restaurante fornece as motos — e é o empreendimento que deve cuidar e pagar pela manutenção dos veículos.

Às vezes, os entregadores usam suas motos, mas o restaurante ajuda com alguns custos de manutenção ou paga um extra por entrega para ajudar com esses gastos”, reforça a administradora de empresas, que enfatiza que esse modelo tenta dividir a responsabilidade de manter as motos em bom estado entre o restaurante e os profissionais.

No entanto, destaco que é fundamental que os acordos entre restaurantes e entregadores sejam claramente definidos em contrato, detalhando as responsabilidades de cada parte em relação à manutenção e cuidados com as motocicletas. Isso ajuda a prevenir mal-entendidos e assegura que todas as partes estejam cientes de suas obrigações”, reforça.

Quais treinamentos o entregador deve ter?

Muitas vezes, a pessoa entregadora é a única a fazer contato direto com o cliente. Quando a venda é toda on-line, o consumidor pouco sabe sobre a equipe envolvida para garantir a qualidade do produto, mas encontrará com quem realiza a entrega.

Por isso, um dos treinamentos fundamentais que a pessoa entregadora precisa ter é de como se relacionar com o cliente. É fundamental que esse momento mínimo de interação seja uma boa experiência, a fim de gerar satisfação ao consumidor.

Afinal, se a experiência na hora da entrega for negativa, a marca como um todo será responsabilizada pelo cliente, e não só a pessoa entregadora, certo?

Como cobrar a taxa de entrega do cliente?

Toda entrega de delivery de comida gera uma taxa de frete. Esse valor é calculado com base na distância entre a loja e o endereço do cliente. 

Na fração do cálculo, deve-se entrar questões como: manutenção do veículo, gasto com combustível, valor pago por hora para a pessoa entregadora (em caso de contrato CLT) etc.

Essa somatória chegará a um valor que será repassado ao cliente. Mas a empresa precisa especificar o valor do frete e do produto, para que o consumidor esteja ciente de quanto está pagando pelo serviço.

Para facilitar todo esse cálculo, o iFood oferece mecanismos rápidos e fáceis por meio do serviço Sob Demanda. Basta colocar o endereço do cliente que o aplicativo calcula automaticamente quanto deverá ser pago.

Como contratar um profissional?

Contratar um profissional para a entrega delivery pode ser desafiador. Afinal, existem quatro modalidades de entrega que os parceiros iFood podem utilizar:

  • por meio de um operador logístico, em que há uma empresa terceirizada que colabora com a conexão de sua base de pessoas entregadoras aos estabelecimentos parceiros;
  • contrato por carteira assinada, no regime de CLT;
  • contrato de maneira autônoma, por MEI;
  • contratação de uma plataforma de serviço de entrega.

Contratação por CLT

É realizado um registro em carteira, assim como em qualquer área profissional. Há um vínculo empregatício entre a empresa e a pessoa entregadora.

A legislação trabalhista garante ao entregador registrado benefícios como: horário fixo para o trabalho, salário referente à categoria, férias, décimo terceiro, entre outros.

Contratação por MEI

A contratação realizada por contrato de pessoa jurídica (PJ) envolve a empresa e um Microempreendedor Individual (MEI).

Trata-se de uma prestação de serviço, portanto não há vínculo empregatício. Os valores a serem pagos precisam ser explicitados por contrato, assim como os direitos e deveres de cada parte envolvida.

Contratação por meio de aplicativo de entrega

Por meio do aplicativo, a demanda chega até o estabelecimento que começa o preparo. Ao mesmo tempo, a rede de entregadores cadastrada no app é acionada, e um motorista disponível dirige-se até o local para fazer a coleta do produto. Depois disso, é feito o transporte.

Todo esse processo é facilmente monitorado pelo aplicativo, que gera estimativa para o prazo da entrega.

Como funciona a solução Sob Demanda?

O Sob Demanda é uma solução desenvolvida pelo iFood para qualquer estabelecimento de delivery. Trata-se de um modelo operacional que permite atender aos pedidos dos clientes em tempo real, conforme a demanda surge.

Taíne aprofunda as vantagens do Sob Demanda:Esse modelo é particularmente relevante em um cenário em que a agilidade e a capacidade de resposta rápida às necessidades dos consumidores são cruciais para o sucesso do negócio”.

A base dessa solução é o uso de plataformas tecnológicas que conectam os restaurantes aos clientes, como o iFood. Essas plataformas gerenciam os pedidos, processam pagamentos e, muitas vezes, coordenam a logística de entrega.

Muitos restaurantes optam por parcerias com serviços de entrega terceirizados para facilitar a logística de entregar, permitindo que se concentrem na qualidade da comida e do serviço”, explica Taíne. As vantagens específicas são essas:

  • capacidade de responder rapidamente às demandas;
  • otimização dos custos;
  • capacidade de aumentar a escala.

Taíne Hoffman cita outras possíveis vantagens, de acordo com diferentes contextos: “eu até mencionaria que, em alguns casos, o serviço sob demanda melhora a satisfação do cliente (quando é um serviço rápido e de qualidade) e que ainda fornece dados e insights sobre volume de pedidos, preferências dos clientes e assim por diante”.

Mas ela reforça que isso depende muito dos recursos disponíveis em cada plataforma. Em relação ao Sob Demanda, é possível acionar o serviço para qualquer tipo de pedido, mesmo em negociações realizadas fora do aplicativo iFood.

A solução não envolve custo com mensalidade ou comissão. O estabelecimento pagará apenas pela entrega, a qual é calculada conforme a distância entre a loja e o cliente.

Contratando Sob Demanda

Para contratar o Sob Demanda, você deve seguir os seguintes passos:

  • preencher os dados do pedido com nome do cliente, telefone e endereço;
  • conferir a disponibilidade de entregadores, previsão de tempo de entrega e o valor do frete;
  • preencher informações adicionais, como complemento de endereço e a taxa de entrega que o delivery cobrou do cliente;
  • inserir os itens do cardápio comprados pelo cliente — é possível pular esta etapa, caso julgue necessário;
  • conferir os dados;
  • confirmar o pedido;
  • finalizar clicando em Solicitar entrega.

É possível solicitar o Sob Demanda para entregar múltiplos pedidos de uma vez, sem haver a necessidade de repetir o processo para cada demanda da sua loja.

Todas as etapas da entrega delivery são facilitadas por meio do Sob Demanda, dando à sua loja acesso a toda a rede de pessoas entregadoras cadastradas no iFood. É mais uma ótima opção de entrega para que o seu empreendimento fortaleça o relacionamento com os clientes.

Muito bom, não acha? Comece a revolução na sua loja e no serviço de delivery — contrate o Sob Demanda iFood!

Por iFood

Por iFood

34 respostas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Parceiro iFood recebendo pedido.

Assine a newsletter e receba em seu e-mail novos conteúdos que vão ajudar a melhorar o desempenho do seu negócio!

POSTS RELACIONADOS

20/05/2024

Confira como foi o Fórum de Restaurantes de Maio

20/05/2024

Embalagem para marmita: 6 melhores opções

19/05/2024

Promoção de vendas: 5 dicas para o seu sucesso